VANYA

Hanna Komar
Hanna Komar

VANYA

By Hanna Komar
Translation: Lia Gajdušek

 

a praticar o estado meditativo no meio da batalha
os meses das notícias bielorrussas
porque me imagino um mestre tão zen

vacilei
entre a vergonha, a fé no futuro e o cansaço
constantemente ansiosa

os meses das notícias bielorrussas
pessoas presas por meias!

tive uma semana para fazer as malas
visitei a mãe no sábado
ela estava a chorar
eu estava a chorar também

nada me ameaçava
mas ainda assim eu estava ansiosa

uma colher feita de zimbro
um serviço de chá com um bule e duas pequenas chávenas
três das cinco pulseiras bielorrussas

e uma bandeira

encosta-te para trás, não há razão para ter pressa

estava verde e calor lá fora
um pouco nublado
não há bandidos bielorrussos em nenhuma parte da cidade
tão surreal
olhei para o teto durante uma hora

…agora está pendurado na parede

um pote de mel de castanha
tem um cheiro a flores e tem um sabor algo amargo
uma loja khachapuri perto de casa
o dono da loja é da Ossétia
ouvi-o a dizer palavras bielorrussas khalera e dobra
um leve e agradável cheiro a primavera
que eu não tinha notado antes

deitei-me e dormi até acordar

leio livros que há muito tempo queria ler
os meus amigos estão vivos e não estão na prisão…

tantas alegrias

sinto falta da hipotética Bielorrússia
os jovens nas ruas a dançar uma espécie de dryhula

há muitos cães e gatos nas ruas
na última vez
vi mendigos em Minsk
talvez há dez anos atrás
estão exatamente onde os animais estão

vou-me embora, vou desertar
é difícil prever o futuro
mas posso voltar da mesma forma que me fui embora

quase nunca reparo nos meus sonhos
apenas acordo e não me lembro deles
aqui está uma coisa interessante
sonhei com coisas horríveis
mas que sonhos vi eu na Bielorrússia?

mando-vos abraços!